• Instagram
  • Facebook
  • Twitter
  • YouTube
Unindo forças por um IFSC melhor!

ENSINO

Nossa proposta de gestão para o IFSC no período 2020-2024 parte do pressuposto de que em uma instituição de ensino, pesquisa e extensão, os processos pedagógicos precisam articular-se aos processos administrativos e o ensino deve ser o foco central, em torno do qual se organizam a pesquisa, a extensão e a gestão do IFSC. Além disso, o fazer educacional do IFSC deve orientar-se por uma perspectiva crítica e humanizadora, pautada na liberdade de ensinar e aprender, que viabilize a construção da autonomia, da criatividade, do respeito às diferenças e aos direitos humanos. Também, que incentive uma prática dialógica, colaborativa e interativa entre todos os sujeitos envolvidos nos contextos pedagógicos. A ênfase às questões pedagógicas pressupõe um profundo respeito aos profissionais envolvidos com o trabalho dentro e fora de sala de aula, em contraposição a lógicas educativas centralizadoras, uniformizadoras, neogerencialistas, meramente instrumentalistas e neopragmáticas. Baseados nesses pressupostos e pela perspectiva de integração e autonomia entre os câmpus e a reitoria, propõem-se os seguintes compromissos.

1 Participação efetiva da comunidade acadêmica na concepção das políticas de ensino da instituição.

 

  • Estimular a discussão e a participação direta da comunidade acadêmica na concepção e avaliação dos documentos norteadores do ensino: Projeto Pedagógico Institucional (PPI), Regulamento Didático-Pedagógico (RDP), Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPCs) e regulamentações específicas.

  • Revisar e atualizar, de forma coletiva, o Regulamento Didático-Pedagógico do IFSC.

  • Garantir que os documentos institucionais norteadores sejam utilizados de forma efetiva e coerente com a concepção educativa do IFSC.

  • Garantir autonomia dos colegiados em suas diferentes instâncias, respeitando os processos de discussão e decisões, levando em conta as especificidades de cada realidade, na construção de diretrizes comuns para o ensino.

  • Implementar política de acompanhamento de egressos da instituição para obter informações que irão contribuir na formulação de políticas de ensino.

  • Fortalecer o Fórum dos Dirigentes de Ensino como espaço de discussão, proposição e encaminhamento das ações e políticas do ensino.

  • Fomentar a efetiva participação dos estudantes nas políticas de ensino do IFSC.

  • Debater de forma ampliada os papéis dos colegiados e a possibilidade de reestruturação a partir das realidades regionais.

  • Fortalecer os Núcleos Docentes Estruturantes (NDEs) dos cursos como espaços permanentes e legítimos de formulação e aprimoramento dos processos de ensino na instituição.

  • Estimular a articulação de profissionais das coordenadorias/núcleos pedagógicos, das bibliotecas e outros setores ligados ao ensino do IFSC por meio de encontros regulares e que promovam o debate, a troca de experiência e a busca de superação dos desafios pedagógicos institucionais.

  • Estabelecer coletivamente as diretrizes para os cursos técnicos integrados do IFSC.

  • Realizar fóruns e encontros permanentes dos estudantes e dos trabalhadores da educação ligados aos cursos técnicos, de graduação e de pós-graduação do IFSC.

 

 

2 Estabelecimento de estratégias didático-pedagógicas e qualificação dos processos de ensino e aprendizagem.

 

  • Definir políticas de ensino da instituição, partindo das realidades locais e do trabalho nos câmpus.

  • Elaborar diagnóstico a partir de discussões com os câmpus e das informações disponibilizadas pelos diversos instrumentos avaliativos da instituição, com vistas à criação de estratégias e alternativas para intensificar a permanência e o êxito dos estudantes.

  • Compartilhar experiências de enfrentamento à retenção e à evasão, buscando subsídios e parâmetros para definir ações que garantam a permanência e êxito dos estudantes.

  • Repensar formas de ingresso, em diálogo com os câmpus e as diferentes regiões, para os diferentes níveis e modalidades de cursos, observando sempre a realidade local e as mudanças estruturais necessárias.

  • Ampliar e consolidar ações vinculadas a programas de inclusão e de ações afirmativas no IFSC.

  • Atuar em conjunto com os câmpus, no intuito de garantir ações que primam pela inclusão, atendimento às pessoas com deficiência e respeito aos direitos humanos e às diferenças culturais, étnicas e de gênero.

  • Subsidiar os atores envolvidos no processo de elaboração e reflexão dos Projetos Pedagógicos dos Cursos (PPCs) para atuarem em consonância com a concepção educativa institucional.

  • Incentivar e fomentar projetos que contribuam para formação e prática profissional dos estudantes.

  • Fortalecer os Núcleos de Acessibilidade Educacional (NAEDs) dos câmpus, com eventos e ações de ampliação da representatividade desses núcleos

  • Fomentar a formação profissional integrada à educação básica, formação inicial e continuada (FIC), na perspectiva da universalização do acesso à educação e ao trabalho qualificado e de elevação da escolaridade de jovens e adultos.

  • Estimular a oferta de cursos de formação inicial e continuada (FIC) a partir de itinerários formativos, visando a continuidade dos estudos pelos estudantes e como estratégia ligada às políticas de ingresso para os cursos regulares da instituição.

  • Garantir autonomia aos câmpus para a criação, aprovação e oferta de cursos FIC.

  • Valorizar a participação dos egressos na elaboração de políticas de acesso, permanência e êxito.

  • Incentivar o fortalecimento dos cursos já existentes, promovendo a contínua melhora da infraestrutura e adequação e qualificação dos trabalhadores da educação.

  • Estimular e apoiar a realização de conselhos de classe participativos e outras estratégias de diálogo entre estudantes e professores.

  • Estimular espaços e momentos de planejamento coletivo com o objetivo de aperfeiçoar as práticas de sala de aula.

  • Garantir formação plural, com espaço para todas as áreas do conhecimento, incluindo as ciências humanas, as artes, a educação física e outros campos específicos do saber.

  • Aprimorar os processos de trabalho e de capacitação dos Registros Acadêmicos dos Câmpus em diálogo com o Fórum de Registros Acadêmicos do IFSC.

 

 

3 Articulação e aproximação entre os projetos de ensino e as realidades sociais e culturais regionais.

 

  • Assegurar identidade curricular e desenvolvimento de ação pedagógica própria no âmbito dos câmpus, em sintonia com os princípios e diretrizes definidos coletivamente para a instituição.

  • Implantar o Observatório da Educação Profissional, Científica e Tecnológica, a fim de restabelecer o diálogo com as realidades sociais e culturais, locais e regionais.

  • Fomentar a integração das atividades de ensino com as atividades de pesquisa, de extensão e com ações voltadas ao desenvolvimento sustentável e ao fortalecimento dos arranjos produtivos, sociais e culturais locais e regionais.

  • Organizar e articular a participação do IFSC nos Conselhos Estadual e Municipais de Educação, por meio dos seus representantes.

  • Fortalecer os cursos técnicos integrados e a Educação de Jovens e Adultos integrada.

 

 

4 Estabelecimento de política institucional de formação continuada dos trabalhadores da educação.

 

  • Potencializar ações formativas voltadas à criticidade, à emancipação e à atuação numa perspectiva de totalidade e de transformação da realidade social.

  • Ampliar as possibilidades de intercâmbio e de troca de experiências entre setores, câmpus e instituições. Incentivar e fomentar processos de formação presenciais e a distância que atendam as necessidades didático-pedagógicas de cada câmpus.

  • Promover eventos periódicos, inclusive regionalmente, potencializando-os como espaço de troca de experiências, socialização de práticas educativas inovadoras, de formação e de encontros de trabalhadores da educação e estudantes.

  • Estimular a realização de encontros de formação por áreas do conhecimento ou eixos tecnológicos, aproximando os processos formativos das demandas específicas dos docentes.

  • Viabilizar trabalho integrado entre coordenações dos diferentes níveis e modalidades de ensino intercâmpi.

  • Socializar pesquisas realizadas por servidores da instituição, em especial aquelas relacionadas aos processos educativos.

 

 

5 Educação a Distância (EaD) e Tecnologias Educacionais no processo de ensino e aprendizagem.

 

  • Incentivar a criação de uma rede, envolvendo reitoria e câmpus, voltada para o desenvolvimento de tecnologias educacionais e objetos de aprendizagem.

  • Aperfeiçoar o sistema acadêmico SIGAA e o ambiente virtual de ensino e aprendizagem MOODLE para que estejam de acordo com as demandas e necessidades dos processos de ensino.

  • Realizar amplo debate institucional sobre as políticas de Educação à Distância do IFSC, com vista ao seu aperfeiçoamento.

  • Utilizar a EaD como ferramenta para fortalecer a formação de formadores e os processos de formação continuada.

  • Criar pólos regionais de produção de materiais didáticos para EaD.

  • Fortalecer os Núcleos de Educação a Distância (NEaDs).

  • Definir as métricas de trabalho dos profissionais da Educação a Distância.